• Equipe de Conteúdo GMI

Transporte rodoviário de cargas revela mulheres empreendedoras em todo o Brasil

Atualizado: Fev 4

Cada vez mais o mercado tem aberto as portas desse setor tradicionalmente masculino, e empresárias do setor comentam a evolução



“Vejo que, ao longo destes mais de 15 anos que participo de nossas entidades, as mulheres do transporte, mesmo que de forma tímida e gradativa, desempenham um papel de extrema relevância.”


O Dia Internacional da Mulher é comemorado no dia 8 de março. A data já era celebrada desde a década de 20, mas apenas em 1975 a Organização das Nações Unidas a oficializou. Seu foco foram sempre as questões trabalhistas e a busca pela igualdade salarial e de oportunidades entre homens e mulheres.


Mesmo que essa movimentação possua cem anos, atualmente ainda ocorrem muitas situações em que a mulher é considerada inferior ao homem. Porém, diariamente mulheres do mundo todo comprovam sua capacidade para atuar em qualquer setor. Um deles é o transporte rodoviário de cargas: visto por muitos como um ambiente exclusivamente masculino, as mulheres têm conquistado nele cada vez mais o seu espaço.


Para Ana Carolina Ferreira Jarrouge, da Ajofer Transportes, apesar dos inúmeros obstáculos que se apresentam no caminho, a mulher pode, sim, chegar aonde quiser devido a sua força e persistência peculiares. “Vejo que, ao longo destes mais de 15 anos que participo de nossas entidades, as mulheres do transporte, mesmo que de forma tímida e gradativa, desempenham um papel de extrema relevância.” Ana é coordenadora nacional da Comissão Nacional de Jovens Empresários e Executivos do Transporte Rodoviário de Cargas, a COMJOVEM Nacional, fundada pela NTC&Logística, entidade representativa do setor com mais de 55 anos. A COMJOVEM Nacional possui o objetivo de integrar e capacitar os jovens empresários e executivos para que futuramente eles liderem negócios voltados à área na empresa de suas famílias. Além disso, possui núcleos em todo o Brasil ligados a sindicatos locais. Ana relata que nessas células é possível encontrar o público feminino discutindo, debatendo, estudando, se qualificando e se preparando para cada vez mais alcançar melhorias para o segmento. “Somos assim: emotivas, humanas, delicadas, mas muito capazes”, aponta.


Joyce Bessa, da empresa TransJordano e integrante do núcleo da COMJOVEM de Campinas, declara que a cada ano que passa a figura da mulher se faz mais presente no ramo dos transportes. “Já garantimos nosso lugar no mundo corporativo, e no transporte rodoviário de carga (TRC) não foi diferente. Fomos chegando devagarinho e hoje já somos muitas e unidas.” Porém, elas ainda não conseguiram alcançar muitos cargos de liderança nesse campo. “Vejo que esse assunto ainda é muito recente no mercado brasileiro, e no TFC ainda mais, visto que é um mercado muito masculino. Por isso, a mulher ainda está em fase de transformação quanto ao seu papel, na família e mesmo em relação à sua própria carreira”, opina.


Além desses fatores, ela ainda aponta a questão de que muitas são mães e precisam administrar não só seus empregos, mas também uma casa e uma família. Mesmo assim, Joyce vê como essencial a participação de suas colegas em reuniões de sindicatos, mesmo que sejam apenas uma pequena parcela presente. “Entendo que a nova geração busca e apoia mais representatividade feminina no setor. Já fui conversando com mecânicos, borracheiros e motoristas da minha empresa e sempre fui muito respeitada”, conta.

Orgulhosa, relata que em sua empresa já existem dez motoristas mulheres no quadro de funcionários e que existe apoio também para que elas participem de cargos de chefia. “A mulher de hoje não é tão frágil como antes, sabe se manter e é decidida, deixando de lado o seu lado frágil no mundo dos negócios. A mulher busca o seu lugar no mercado, e pesquisas mostram esta ascensão. Além de profissional, a mulher pode ser mãe, esposa, dona de casa – ou seja, multitarefa.”


E essa questão de poder realizar mais de uma tarefa ao mesmo tempo é o que Amanda Juliani Lucatto, coordenadora do núcleo da COMJOVEM em Porto Ferreira e também empresária da Transportadora Jule LTDA, vê como um dos principais atrativos do serviço, já que o ramo dos transportes é bastante dinâmico. “Isso é sem dúvida o combustível para a gente obter a satisfação profissional no nosso setor, que é o que amamos fazer”, considera. Mas mesmo com toda essa abertura para o público feminino, que é bem maior hoje em dia, Amanda expõe que este ainda é um mercado de predominância masculina, tanto nas empresas quanto nos sindicatos. Porém, a persistência das mulheres está possibilitando uma mudança de cenário, acompanhada é claro de muito interesse e aprendizado por parte delas. “Com muita determinação e comprometimento a gente vem conseguindo cada vez mais espaço no nosso setor.”


Com relação ao aprendizado, Thais Bandeira Cardoso, da empresa Kodex Express e vice-coordenadora do núcleo COMJOVEM Porto Alegre, também afirma que esse é um fator muito importante para que as mulheres conquistem mais seu espaço. Segundo ela, por ser um ramo que os homens tradicionalmente dominam, é necessário que se possua um conhecimento alto para debater e se impor em todos os espaços. “A gente busca muito mais se capacitar, buscamos muito mais o aperfeiçoamento, para que consigamos mostrar a capacidade e o conhecimento que a gente possui sobre alguns assuntos”, reforça. Assim, acredita que a categoria já está abrindo mais as portas para diversificar seus funcionários, mas que ainda está longe de ser o ideal por ainda existir uma diferença grande com relação aos salários e também por existir preconceito. “Em cargos maiores, a gente tem que lutar muito mais para estar lá. Mas estamos no caminho. E vamos nos colocar para que mais mulheres venham atrás da gente”, opina.


Conforme informações da Confederação Nacional do Transporte (CNT), apenas 17% dos profissionais da área dos transportes são mulheres. Isso prova que muito ainda deve ser trilhado para que elas conquistem seu espaço. Mas mesmo com um volume tão baixo de empregadas, houve um grande aumento na procura por especialização. Nos últimos anos, ocorreu um crescimento de 60,4% na busca delas por habilitação em transportes de passageiros, produtos perigosos e transporte escolar por meio do projeto Habilitação Profissional para o Transporte – Inserção de Novos Motoristas, do SEST SENAT.


Segundo Gabriela Velame Andrade, coordenadora da COMJOVEM da Bahia e empresária da Martins Medeiros Logística, um dos principais fatores que têm auxiliado na ascensão das mulheres no setor dos transportes tem sido a COMJOVEM, justamente por ser coordenada por uma mulher, Ana Jarrouge. “No cenário atual, têm se destacado mulheres aguerridas que fazem a diferença, como a Ana, e que vêm ajudando com competência a condução das entidades ligadas ao setor.”


Tuanny Prado com contribuições de Rodrigo Bernardino, Jornalistas do GMI

0 visualização
CONTATO

Francisco Luiz de Souza Jr., 398

São Paulo, SP - 05037-001

​​

Tel: (11) 3641-7860 I 2361-0957 I 2661-0956

WhatsApp: (11) 94820-4812 I 98260-9162

contato@mostradeideias.com.br

comunicacao@mostradeideias.com.br

conteudo@mostradeideias.com.br

imprensa@mostradeideias.com.br

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Google+ Icon

© 2023 por RBS. Criado orgulhosamente pela Equipe de TI do GMI.